Pró Desporto

Mário Palma leva Tunísia ao 2º título no Afrobasket

O Afrobasket 2017 acabou mais cedo para Angola, que não conseguiu chegar às meias finais, tendo sido derrotada pelo Senegal nos quartos de finais.

Por sua vez, a Tunísia, a jogar em casa, passou pela RDC e por Marrocos, para então chegar à final e defrontar a campeã em título, a Nigéria (que eliminou as selecções des Camarões e Senegal).

Tunisia

A Tunísia ficou sem Salah Mejri, a sua estrela, de 2,18 metros dos Dallas Mavericks. Mejri, que está a se recuperar de uma lesão no joelho, foi o MVP do título da Tunísia no AfroBasket 2011. A Nigéria estava a tentar se tornar a primeira equipe a defender com sucesso o título nos últimos oito anos, só Angola tinha feito isso.

Ike Diogu liderou a Nigéria com 20 pontos e 10 ressaltos, e foi nomeado MVP do torneio após uma média de 22 pontos por jogo, mas não foi suficiente para parar a máquina ofensiva montada por Mário Palma, o experiente treinador da Tunísia (que os angolanos conhecem bem).

Com o apoio de uma torcida doméstica bastante activa, a Tunísia usou o jogo exterior para derrubar a Nigéria na segunda metade. Ziyed Chennoufi liderou a Tunísia com 19 pontos, e Nizar Knioua adicionou 16.

Como foi a final ?

A Nigéria entrou demolidadora,  Bryant MBamalu chegou a estender a liderança da Nigéria para 18-8 com 8:51 para jogar no segundo quarto, até que Mário Palma pediu desconto de tempo e no seu estilo ordenou: “Movimentem a bola!”

Deste ponto em diante, a Tunísia melhorou e terminou a primeira parte na liderança 25-24. No intervalo, Palma disse a seus jogadores que os nigerianos estavam cansados, e eles deveriam aproveitar isso. Os tunisianos abriram o terceiro quarto com um diferencial de 19 a 6, graças ao oito pontos de Chennoufi.

No último quarto, a Nigéria reduziu a desvantagem para 68-61 com um dunk de O’Karo Akamune com 2:02 restantes. Mais uma vez a Tunísia respondeu, 3 pontos de Omar Abada deram novamente a tranquilidade de 10 pontos de diferença e Mourad El Mabrouk marcou mais um triplo, dando à Tunísia uma vantagem de 74-63 com 43 segundos restantes.

O capitão Ben Romdhane conseguiu apenas 1 ponto em 29 minutos, compensados com 9 ressaltos, mas o espiríto de equipe prevaleceu. A Nigéria contou com uma boa produção de Ike Iroegbu, com 17 pontos. A Nigéria levou apenas um jogador vencedor do Afrobasket 2015. Ike Diogu tentava assim passar o conhecimento para os novatos na selecção.

Resultado final: Tunisia 77 – 65 Nigéria

 

O segredo da vitória

Organização. Depois de ter criticado a preparação de Angola para esse campeonato, Mário Palma revelou que a Tunísia realizou 84 treinos. Em contraste, a Nigéria teve um treinador novo e a equipe foi montada apenas poucas semanas antes do torneio.

A influência do treinador veio ao de cima na final, a equipe teve um contributo de 44 pontos de jogadores vindos do banco!

Mario Palma, dedicou a vitória ao povo tunisino.

“Esta vitória vai ajudar muitas pessoas que sofrem, que não têm dinheiro, que são pobres… Elas terão algumas semanas para se sentir bem”.

Mário Palma, é Luso-Guineense de 67 anos, treinou Angola para quatro títulos consecutivos do AfroBasket, de 1999 a 2005. Bons tempos!

Espera que Palma continue na Tunísia para lutar pelo apuramento ao Mundial de 2019. As qualificatórias começam no dia 20 de Novembro.

Deixe Um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *