Luís Campos: Um dos homens mais desejados no mundo do futebol

Luís Campos: Um dos homens mais desejados no mundo do futebol

- EmDestaque, Futebol
0

Aos 54 anos, Luís Campos, que já foi treinador e olheiro, é um dos directores desportivos mais valorizados no Mundo. Neste defeso, Manchester United, AC Milan, Roma e Chelsea foram alguns dos clubes que, alegadamente, o tentaram contratar. E não é difícil perceber porquê.

Luís Campos é a principal figura por detrás de uma estratégia de recrutamento que forneceu ao Mónaco jogadores do calibre de Kylian Mbappe, Bernardo Silva, Thomas Lemar, Fabinho, Tiemoue Bakayoko e Benjamin Mendy é um professor desportivo português que treinou na liga portuguesa antes de ser contratado por José Mourinho como seu olheiro principal no Real Madrid. Rafael Leão e Nicolas Pépé são os últimos numa lista cada vez maior de jogadores que “descobriu”, valorizou e vendeu com lucros impressionantes.

Em 2017, Luis Campos cedeu uma entrevista a Duncan Castles, para o Yahoo! Sports, onde falou sobre vários assuntos relacionados ao seu trabalho. Citaremos aqui alguns trechos desta entrevista.

Há seis anos, tornou-se director técnico do Mónaco depois de Dmitry Rybolovlev adquirir 66% das acções do clube. A sua função envolvia a reconstrução de um clube que não estava preparado para o mais alto nível. A reorganização de áreas como o departamento médico, o departamento de formação, a gestão de equipas, o estudo dos adversários e a implementação de uma nova metodologia de observação de jogadores foram os primeiros passos na arquitectura deste novo Mónaco. Claudio Ranieiri era o treinador e teve também a colaboração de um especialista excepcional chamado Riccardo Pecini.

Depois de um extraordinário segundo lugar na Liga, Ranieri e Pecini deixaram o clube e foi preciso fazer outra reestruturação. O investimento de mecenato acabou. Era impossível para o Sr. Rybolovlev continuar a colocar muitos milhões no clube. Teríamos de construir o sucesso de outra forma e, a este respeito, sinto-me como o arquitecto de um processo que terminou para mim com a construção desta super equipa de 16/17

De um momento para o outro a capacidade de investir em jogadores com créditos firmados desapareceu. Para continuar ao mais alto nível, o Mónaco teve que mudar radicalmente de política e encontrar jovens talentos, dar-lhes visibilidade e depois vender, para conseguir grandes contribuições financeiras que garantissem a continuidade do projecto.

Foi então que surgiu o método Luís Campos, que, entre outras coisas, engloba não mais do que “seis super-scouts” que trabalham num sistema rotativo e que observam os mesmos jogadores. Tudo isto para o relatório ser mais completo e para conhecer diferentes pontos de vista sobre o futebolista. As observações ao vivo são de capital importância. Luís Campos entende que ver o jogador a aquecer ou como reage às incidências durante o jogo ou por exemplo a uma substituição é fundamental para decidir avançar ou não para a contratação.

Todos os dados e métodos que você menciona (estatísticas de desempenho detalhadas, métodos analíticos baseados em computador e algoritmos) são muito importantes, mas se você não sabe como lê-los e interpretá-los, eles são definitivamente inúteis. A sensibilidade e a capacidade de ler estes dados é crítica. Mas acredito muito mais no que nossos olhos e nosso cérebro são capazes de nos transmitir do que em qualquer computador do mundo. O computador e os dados estatísticos oferecem-nos uma ajuda essencial, mas não decisiva.

Observados e escolhidos os alvos, segue-se o jantar de reconhecimento. Como o próprio disse na conferência ProScout, Luís Campos tem o hábito de jantar com jogadores que quer contratar. Através disso, já descartou contratações por comportamentos inadequados nestes encontros. Para além disso, tem sempre o cuidado de tentar perceber como e se determinado jogador vai encaixar na equipa e ser capaz de exibir todo o potencial que tem no contexto que o espera. As contratações são sempre feitas com base no colectivo e nas ideias dos treinadores.

No Mónaco e com a ajuda deste método, Luís Campos contratou Anthony Martial, Bernardo Silva, Fabinho, Bakayoko, Thomas Lemar ou Benjamin Mendy. No Lille, Pépé e Rafael Leão, mas também Ikoné, Timothy Weah ou Osimhen.

Quanto renderam estas compras ao clube?

  • Anthony Martial: contratado com 18 anos, por 5 milhões de euros, em 2013. Só tinha feito 4 jogos na equipa principal do Lyon. Em 2015, foi para o Manchester United por cerca de 60 milhões;
  • Bernardo Silva: chegou ao Mónaco em 2014 por empréstimo, com 20 anos. Tinha feito apenas três jogos pela equipa principal do Benfica. Em 2017, foi vendido ao Manchester City por 50 milhões de euros;
  • Fabinho: pertenceu ao Rio Ave, mas só fez um particular em Vila do Conde. Esteve emprestado ao Real Madrid B e em 2013 foi cedido ao Mónaco. Em 2018 foi para o Liverpool por 50 milhões;
  • Tiémoué Bakayoko: após uma época na equipa principal do Rennes, foi contratado pelo Mónaco em 2014, por 8 milhões. Em 2017, foi vendido ao Chelsea por 40 milhões de euros;
  • Thomas Lemar: depois da primeira época como sénior no Caen, chega ao Mónaco por 4 milhões de euros, em 2015. Em 2018, o Atlético de Madrid pagou 70 milhões de euros por ele;
  • Benjamin Mendy: a última grande contratação de Luís Campos no Mónaco, que, em 2016, pagou 13 milhões ao Marselha. Na época seguinte, o Manchester City contratou-o por 55 milhões;
  • Nicolas Pépé: em 2017, o Lille pagou 10 milhões de euros por ele, depois de uma época no Angers. 79 jogos e 37 golos depois, vendeu-o ao Arsenal neste defeso por 80 milhões;
  • Rafael Leão: chegou ao Lille em 2018, a custo zero, depois de ter rescindido com o Sporting, onde só fez cinco jogos pela equipa principal. Um ano depois, é vendido ao AC Milan por 35 milhões de euros.

Ao todo, nestes oito jogadores que renderam no campo e depois foram transferidos, Luís Campos investiu à volta de 65 milhões e o retorno financeiro foi superior a 450 milhões de euros, o que dá um lucro de 385 milhões.

Mas já há outros na forja. Por exemplo, Jonathan Ikoné (21 anos) foi contratado ao Paris Saint-Germain no ano passado, por 5 milhões. Neste defeso, o Lille já terá rejeitado propostas a rondar os 45 milhões. Por outro lado, neste mercado o Lille contratou Timothy Weah (19 anos), Bradaric (19 anos), Victor Osimhen (20 anos) e Manuel Cafumana (20 anos) por 33 milhões de euros. Todos jovens, todos com potencial e todos para dar o salto. A estratégia é evidente.

A lista de clubes que se diz terem demonstrado interesse pelos serviços do director desportivo de Lille inclui o Manchester United, Arsenal, Chelsea, Barcelona, Real Madrid, AC Milan, Roma, Paris Saint-Germain e Marselha. No entanto, Luís Campos admite poder vir a mudar-se para um clube inglês, mas acha que a maioria dos clubes ingleses não sabe como recrutar, por uma questão que ele entende ser cultural, pois quase todos cometem o mesmo erro.

Os clubes ingleses gostam muito de atacantes de topo, mas em grande parte os fazem jogar ao lado de defesas de qualidade média. E isso, na minha opinião, explica o seu relativo insucesso nas competições europeias, apesar de terem gasto somas exorbitantes nos últimos anos. Na Premier League existe uma grande diferença entre os grandes talentos e a qualidade média do apoio ao mesmo talento ofensivo. A maioria das equipas carece de grandes defesas e de médios defensivos. Portanto, não sei se eles me entenderiam culturalmente. Os grandes atacantes que já estão na Premier League seriam ainda melhores se tivessem o apoio de bons laterais, por exemplo. E quantos bons laterais existem na Inglaterra? 

Pouco menos de dois anos depois de deixar o cargo de director técnico da AS Monaco, Luís Campos prometeu replicar os sucessos do seu mandato no Stade Louis II. “Não quero parecer arrogante, mas garanto que vou criar outras ‘obras-primas’ como essa na minha carreira“, disse Campos na entrevista para a Yahoo! Sports.

A sua crença inabalável nas suas filosofias futebolísticas deu frutos, com o plantel que ele montou no LOSC Lille a alcançar a segunda posição na Ligue 1 nesta temporada, um ano depois de quase ter descido de divisão. Grande parte do sucesso do clube nesta temporada deve-se também ao excelente trabalho táctico e de formação do técnico Christophe Galtier.

 

Fonte: Vasco Samouco, Yahoo! Sport

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.