Atlanta Hawks, de Bruno Fernando, com futuro promissor na Liga

Atlanta Hawks, de Bruno Fernando, com futuro promissor na Liga

Os Atlanta Hawks foram uma das equipas com mais alegrias no NBA Draft 2019, e não é só simplesmente por escolherem o jogador angolano Bruno Fernando. Olhando agora para o seu plantel, podemos ver que eles têm tudo para singrar na Conferência Este nas próximas temporadas.

Quando começou o NBA Draft 2019, os Hawks eram donos das escolhas nº 8 e nº 10. Mas como a equipa já tinha o jogador preferido a escolher nesse Draft, D’Andre Hunter, trocou a escolha nº 8 com os New Orleans Pelicans para obterem a escolha nº 4. De ressaltar que essa escolha nº 4 pertencia aos Los Angeles Lakers, mas perderam para os Pelicans na trade que levou Anthony Davis à Los Angeles.

Se os jogadores que a equipa escolheu nesse Draft darem-se bem na Liga, como os últimos escolhidos, então a equipa de Atlanta pode ter algo a dizer no campeonato, num futuro não muito distante.

A redacção da Pró Desporto mostra agora alguns motivos que mostram que os Hawks têm tudo para singrar na NBA, a partir da próxima temporada:

1. Têm muito talento na equipa

Os Hawks têm sido silenciosamente uma equipa com muitas boas escolhas no Draft, sempre pegando jogadores talentosos nos últimos anos.

A equipa de Atlanta seleccionou 3 jogadores que já foram NBA All-Team Rookie, nas últimas 2 temporadas. Estamos a falar de John Collins, Trae Young e Kevin Huerter (colega de Bruno Fernando no Maryland Terrapins Basketball), e agora podemos acrescentar mais 3 nomes que têm tudo para serem fortes na Liga: D’Andre Hunter, Cam Reddish e Bruno Fernando.

Collins é sem dúvida o primeiro diamante achado pela equipa, sendo a escolha nº 19 no Draft de 2017. Com uma temporada impressionante no seu primeiro ano na Liga, de lá para cá, Collins só cresceu, tanto tactica como ofensivamente, tendo médias de jogos de 20 pontos e 10 ressaltos em apenas 61 jogos. Apenas nove jogadores escolhidos no Draft 2017 tiveram médias melhores que Collins.

Quanto a Trae Young, muitos o questionam simplesmente por verem o quanto Luka Dončić, dos Dallas Mavericks, é bom. Os dois jogadores foram trocados entre si no Draft 2018. Até agora Young tem conseguido fazer o seu caminho, onde na segunda metade da última temporada teve médias de 24,7 pontos e 9,2 assistências. Ele foi o quarto jogador com mais assistências por jogo e foi o jogador com mais assistências para dunks, com 191. Apesar de não ser muito bom na defesa, Young tem tudo para crescer nesse aspecto, tornando-se um jogador com maior aproveitamento para a equipa.

Não é nenhum segredo que Hunter sempre foi um dos jogadores mais cobiçados do Draft 2019. Um facto interessante é que ele pode jogar em até, no máximo, 4 posições na quadra, e com grande jeito quando tem a bola. Hunter também vem de 4,8% 3PT na Universidade.

Cam Reddish é outro jogador que tem muito para mostrar, e os Hawks têm tudo para tirar proveito dele. Para muitos analistas, onde eu também partilho dessa opinião, Reddish é um dos jogadores com melhor lançamento da sua classe. Reddish conseguiu impor-se na Duke University, e na NBA terá ainda mais espaço para evoluir o seu estilo de jogo.

E para completar a cereja no topo do bolo temos o angolano Bruno Fernando. Para eu não ser taxado de modinha, já que dizem que eu passo a vida a falar de Fernando aqui na página, vou deixar o link do artigo que fiz sobre ele 👉🏿 ( https://www.facebook.com/1485570541750939/posts/2058536487787672/?app=fbl)

Definitivamente os Hawks estão a mostrar que é possível construir uma boa equipa só com escolhas do Draft. Isso faz-me lembrar da forma que os Golden State Warriors ganharam o campeonato em 2015.

2. Flexibilidade

Os Hawks podem tornar-se uma equipa criativa nos próximos anos.

Os Hawks são a segunda equipa com mais espaço no CAP salarial, tendo contrato com apenas quatro jogadores (Young, Huerter, Collins e Spellman Omari) onde esses mesmos contratos terminam até à temporada 2020/21. Embora possa não ser um destino para os principais jogadores livres nesse Verão, agora, daqui a uma boa temporada grandes nomes tentarão ir para lá, onde o basquetebol praticado em Atlanta vai ser jovem e divertido.

Dependendo de quão rapidamente os Hawks aprendem a ganhar consistentemente, a equipa terá tudo para fechar contrato com um All-Star.

3. Potência constantes

Quem comanda agora a Conferência Este, desde a saída de Lebron James…?!!! Podem chutar vários nomes, mas ainda não há um jogador, ou equipa, consistente na Conferência.

LeBron James levou os Cavaliers há quatro finais consecutivas, antes de rumar para os Los Angeles Lakers no verão passado. Com a sua saída, todo mundo dizia que os Celtics comandariam a Conferência.

Mas a equipa de Boston ficou drasticamente aquém das expectativas, onde foi superado pelos Milwaukee Bucks, com um assombroso Giannis Antetokounmpo. Mais uma vez, aquém das expectativas, Antetokounmpo foi destronado por um Kawhi Leonard que fez um Playoffs mais do que fantástico. Leonard levou os Raptors a conquistarem a Liga, pela primeira vez na história, ganhando também o seu segundo prémio MVP Finals. Mas agora, até mesmo a equipa de Toronto não sabe se Kawhi vai aceitar continuar na equipa para a próxima época.

Se Leonard sair para a Conferência Oeste, onde os Los Angeles Clippers é o nome mais sonante, as pessoas vão procurar mais uma equipa ou jogador para comandar a Conferência Leste, Conferência essa que está muito imprevisível. É dessa forma que o nome dos Atlanta Hawks entra na corrida.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.